A Construção do Porto do Rio de Janeiro e a Caixa Especial dos Portos: reordenamento territorial e desenvolvimento

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Cézar Teixeira Honorato
https://orcid.org/0000-0003-4212-7395
Lucas Tavares Honorato
https://orcid.org/0000-0003-0422-2199

Resumen

O objetivo do presente artigo é de apresentar os primeiros resultados do Global South Project. Puertos y desarrollo económico y social en el Atlántico Meridional (1850-2010) e do Projeto Acervo Documental da Secretaria do Patrimônio da União (spu) com o apoio de Universidade Federal Fluminense e Banco Interamericano de Desenvolvimento (UFF/BID). Neste sentido, analisamos a construção do porto do Rio de Janeiro através da Caixa Especial dos Portos e da implantação de uma nova Comunidade Econômica Portuária, no momento em que o Brasil entra definitivamente na rede global marítima. Apresentamos uma reflexão acerca das possibilidades de utilização principalmente da cartografia e dos processos administrativos como fontes devido ao fato de ser uma documentação ainda inédita, bem como uma análise da atuação da Caixa Especial dos Portos no trato com as empresas e empresários interessados na nova região portuária e seus desdobramentos.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Citas

Bird, J. (1963). The Major Seaports of the Unites Kingdom. London: Hutchison.

Brasil. (1868, 1886) Colleção das Leis do Império do Brasil Recuperado de https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/legislacao/doimperio

Brasil. (1902, 1903, 1911, 1912, 1915) Colleção das Leis da República do Brazil. Recuperado de https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/legislacao/republica

Brasil. (1902). Manifesto Inaugural de Francisco de Paula Rodrigues Alves, Presidente Eleito para o Quadriennio de 1902 a 1906. Recuperado de http://www.biblioteca.presidencia.gov.br/presidencia/presidencia/ex-presidentes/rodrigues-alves

Brasil. (1910, 1911). Relatório Apresentado ao Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil pelo Ministro da Viação e Obras Públicas. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional.

Brasil. Ministério de Fazenda. (1850). Proposta e Relatório. Rio de Janeiro: Tipografía Nacional.

Castillo, D. (2015). Puerto de Dakar, puerta de África occidental: una historia económica de Senegal (1857-1957). Santa Cruz de Tenerife: VeredaLibros.

Chaloub, S. (1996). Cidade febril: Cortiços e epidemias na corte imperial. São Paulo: Companhia das Letras.

García, M. R. e Rey, O. (orgs.). (2016). Fronteras de agua: las ciudades portuarias y su universo cultural (siglos xiv-xxi). Santiago de Compostela: Universidade de Santiago de Compostela.

Gasparini, D. (2005). Direito Administrativo. São Paulo: Saraiva.

Ginsburg, C. (1990). Sinais: raízes de um paradigma indiciário. Em C. Ginsburg (org.), Mitos, emblemas e sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras.

Guimerá, A. e Romero, D. (orgs.). (1996). Puertos y sistemas portuarios (siglos xvi-xx). Madrid: Ministerio de Fomento.

Hayuth, Y. (1982). The Ports-Urban Interface An Area in Transition. Area, 14(3).

Honorato, C. (2015). O polvo e o porto: a Companhia Docas de Santos (1888-1914). Curitiba: Prismas.

Honorato, C. (2018). Revisitando um velho tema: as reformas urbanas do Rio de Janeiro no início do século xx (1902/1910). Em P. Campos e P. Brandão (orgs.), Dimensões do empresariado brasileiro: história, organizações e ação política. Rio de Janeiro: Consequência.

Honorato, C. e Mantuano, T. (2015). O que era o trapiche? O porto e a cidade do Rio de Janeiro no século xix. Acervo, 28, pp. 144-158.

Honorato, C. e Mantuano, T. (2016). A economia da região portuária do Rio de Janeiro (1870-1900). Nuevo mundo mundos nuevos. doi: 10.4000/nuevomundo.69968

Honorato, C. e Ribeiro, L. C. (2014). The emergence of Santos as a coffee port 1869-1914. Em M. Suárez (org.), Atlantic ports and the first globalisation c. 1850-1930. England: Palgrave MacMillan.

Honorato, C. e Santos, F. D. (2010). Um século de vivências num porto moderno. Rio de Janeiro: Centro Cultural Correios.

Hoyle, B. S. (1997). Cities and ports: concepts and issues. Vegueta, 3.

Hoyle, B. S. e Pinder, D. (orgs.). (1992). European port cities in transition. London: Belhaven Press.

Laemmert, E. e Laemmert, H. (1850-1900, 1903, 1911). Almanack Laemmert, Almanak Administrativo, Mercantil e Industrial da Corte e Província do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Tipografia Laemmert.

Lisboa, A. (1992). Portos do Brasil. Rio de Janeiro: O Norte.

Mantuano, T. V. (2017). Comenadador Antônio Martins Lage: entre a navegação e a operação portuária no século xi (Mestrado). Universidade Federal Fluminense, Niterói.

Suárez Bosa, M. (2014). Atlantic ports and the first globalisation c. 1850-1930. England: Palgrave MacMillan.
Trindade, A. D. (2011). André Rebouças: Um engenheiro do Império. São Paulo: Hucitec/FAPESP.

Velasco e Cruz, M. C. (1998). Virando o jogo: estivadores e carregadores no Rio de Janeiro da Primeira República (Tese de Doutoramento). PPGS-USP, São Paulo.

Velasco e Cruz, M. C. (2016). O cais do Porto no Crivo da política: a burguesia mercantil e a modernização portuária no Rio de Janeiro da Primeira República. Em M. C. Velasco e Cruz, M. G. A. Leal e J. R. M. Pinho (orgs.), Histórias e espaços portuários. Salvador e outros portos (p. 289-331). Salvador: EDUFBA.