A questão racial e os limites do desenvolvimento econômico-social brasileiro: uma perspectiva crítica

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Carlos André Guimarães
http://orcid.org/0000-0001-6718-7656
Leonardo Carnut
http://orcid.org/0000-0001-6415-6977
Áquilas Mendes
http://orcid.org/0000-0002-5632-4333

Resumen

O objetivo é analisar a questão racial brasileira como obstáculo histórico ao desenvolvimento econômico-social do país, a partir de uma perspectiva crítica marxista. Considera-se que as relações sociais são moldadas não somente pelo regime de classes como também pelo mito da democracia racial como ferramenta de uma velada segregação –que, como tal, também se mostra uma densa barreira ao fortalecimento de um proletariado sólido–. A metodologia utilizada consistiu em defrontar a argumentação das clássicas teses de Florestan Fernandes e Octávio Ianni com artigos científicos mais recentes, levantando convergências e divergências, para, a partir dos dados levantados, demonstrar que a conscientização acerca da questão racial é condição sine qua non para a legitimação e o fortalecimento do proletariado.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Métricas de PLUMX

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Citas

Albernaz, R., e Azevêdo, A. (2011). Pluralização societária e os desafios à administração pública na América Latina. Sociedade e Estado, 26(2), 329-352. doi: 10.1590/S0102-69922011000200015

Appelbaum, N. (1999). Whitening the Region: Caucano Mediation and “Antioqueño Coionization” in Nineteenth-Century Coiombia. Hispanic American Historical Review, 79(4), 631-667. doi: 10.1215/00182168-79.4.631

Bento, M. A. (1995). Mulher negra no mercado de trabalho. Revista Estudos Feministas, 3(2), 479-479.

Camargo, G. L. V. de. (2005). Esculturas públicas em Curitiba e a estética autoritária. Revista de Sociologia e Política, 25, 63-82. doi: 10.1590/S0104-44782005000200007

Carvalho Filho, J. L. (2016). Segregação espacial e segregação escolar: Notas para uma sociologia da distribuição espacial e social dos estabelecimentos de ensino. Mediações. Revista de Ciências Sociais, 21(2), 359-380. doi: 10.5433/2176-6665.2016v21n2p359

Fernandes, F. (1964). A integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Fernandes, F. (1971). Brancos e negros em São Paulo. Ensaio sociológico sôbre aspectos da formação, manifestações atuais e efeitos do preconceito de côr na sociedade paulistana. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Fernandes, F. (1972). Sociedade de classes e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Zahar.

Fernandes, F. (1973). Capitalismo dependente: E classes sociais na América latina. Rio de Janeiro: Zahar.

Fernandes, F. (1976). A revolução burguesa no Brasil: Ensaio de interpretação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar.

Fernandes, F. (1981). O que é revolução. São Paulo-Brasil: Brasiliense.

Góis, J. B. (2008). Quando raça conta: Um estudo de diferenças entre mulheres brancas e negras no acesso e permanência no ensino superior. Revista Estudos Feministas, 16(3), 743-768. doi: 10.1590/S0104-026X2008000300002

Hoffman, K., e Centeno, M. A. (2006). Um continente entortado (América Latina). Tempo Social, 18(2), 11-46. doi: 10.1590/S0103-20702006000200002

Ianni, O. (1966). Raças e classes sociais no Brasil. Rio de Janeiro: Civilizaçao Brasileira. Ianni, O. (1994). A idéia de Brasil moderno. São Paulo: Brasiliense.

Ianni, O. (2000). Tendências do pensamento brasileiro. Tempo Social, 12(2), 55-74. doi: 10.1590/S0103-20702000000200006

Jacobson, M. F. (1999). Whiteness of a different color: European immigrants and the alchemy of race. Harvard: Harvard University Press.

Lazagna, Â., Löwy, M., e Cahen, M. (2008). Nacionalismos e internacionalismo: Um debate entre Michael Löwy e Michel Cahen. Revista de Sociologia e Política, 16(31), 101-119. doi: 10.1590/S0104-44782008000200009

Marinho, T. A. (2017). Territorialidade e cultura entre os Kalunga: Para além do culturalismo. Caderno CRH, 30(80), 353-370. doi: 10.1590/s0103-49792017000200009

Passos, J. C., e Nogueira, J. C. (2014). Movimento negro, ação política e as transformações sociais no Brasil contemporâneo. Política & Sociedade, 13(28), 105-124. doi: 10.5007/2175-7984.2014v13n28p105

Pinho, O. A. (2006). A vida em que vivemos: Raça, gênero e modernidade em São Gonçalo. Revista Estudos Feministas, 14, 169-198. doi: 10.1590/S0104-026X2006000100010

Pinto, S. (2012). O pensamento social e político Latino-Americano: Etapas de seu desenvolvimento. Sociedade e Estado, 27(2), 337-359.

Quijano, A. (2005). Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. En A colonialidade do saber: Eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas (pp. 117-142). Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales.

Salata, A. (2018). Ensino superior no Brasil das últimas décadas: Redução nas desigualdades de acesso? Tempo Social, 30(2), 219-253. doi: 10.11606/0103-2070.ts.2018.125482

Sales Jr., R. (2006a). Democracia racial: O não-dito racista. Tempo Social, 18(2), 229-258. doi: 10.1590/S0103-20702006000200012

Sales Jr., R. (2006b). Raça e justiça: O mito da democracia racial e racismo institucional no fluxo de justiça (Doutorado). Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Sampaio Junior, P. A. (1999). Entre a nação e a barbárie: Os dilemas do capitalismo dependente em Caio prado, Florestan Fernandes e Celso Furtado. Petrópolis: Vozes.

Wacquant, L. (2004). Que é gueto? Construindo um conceito sociológico. Revista de Sociologia e Política, 23, 155-164.

Wallerstein, I. (1979). El moderno sistema mundial I: la agricultura capitalista y los orígenes de la economía-mundo europea en el siglo xvi. Madrid: Siglo XXI de España.

Wallerstein, I. (1984). El moderno sistema mundial: I, La agricultura capitalista y los orígenes de la economía-mundo europea en el siglo xvi. II, El mercantilismo y la consolidación de la economía-mundo europea, 1600-1750. Madrid: Siglo XXI.

Wallerstein, I. (1998). El moderno sistema mundial III: La segunda era de la gran expansión de la economía mundo-capitalista, 1730-1850. Madrid: Siglo XXI.

Willems, E. (2009). O problema rural brasileiro do ponto de vista antropológico. Tempo Social, 21, 187-210. doi: 10.1590/S0103-20702009000100011