As origens da terra jesuítica na capitania do Rio de Janeiro e a implantação do engenho Velho no século XVII

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Marcia Amantino

Resumen

Este artigo relaciona a fundação da cidade do Rio de Janeiro em fins do século xvi com o papel desempenhado pela Companhia de Jesus nesse processo. Em função de sua participação nas lutas de conquista da Guanabara, foi uma das maiores recebedoras de apoio político e financeiro. Em um primeiro momento, buscar-se-á apresentar a conjuntura geopolítica da localidade e o papel desempenhado pelas alianças entre europeus e indígenas para a consolidação da cidade. Em uma segunda fase, será demonstrado como a Companhia de Jesus se estruturou na região, mantendo relações com as autoridades e com os moradores, bem como seus mecanismos de inserção social na vida econômica da capitania por meio da implementação, no século xvii, do engenho Velho e da produção de cana de açúcar.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Métricas de PLUMX

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Citas

ABREU, M. DE A. (2010). Geografia histórica do Rio de Janeiro, 1502-1700. Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson Estúdio Editorial Ltda./Prefeitura do Município do Rio de Janeiro.

ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS (1936). Primeira publicação após 160 anos do manuscrito inédito de José Caeiro sobre os Jesuítas do Brasil e da Índia na perseguição do Marquês de Pombal (século XVIII). Bahia: Escola Tipográfica Salesiana.

ALDEN, D. (1996). The making of an enterprise: The Society of Jesus in Portugal, its empire and beyond 1540-1750. California: Stanford University Press.

ALENCASTRO, L. F. (2000). O trato dos viventes. São Paulo: Companhia das Letras.

ALVEAL, C. (2005). Enfiteuse. Em M. MOTTA (org.), Dicionário da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

AMANTINO, M. (2009). A expulsão dos jesuítas da Capitania do Rio de Janeiro e o confisco de seus bens. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, 170(443), 169-192.

AMANTINO, M. (2013). Os jesuítas e seus escravos na capitania do Rio de Janeiro no século XVIII. Em E. FERNANDES, A Companhia de Jesus na América. Rio de Janeiro:

ANCHIETA, J. DE (1984). Cartas. São Paulo: Loyola.

ASSUNÇÃO, P. DE (2004). Negócios jesuíticos: o cotidiano da administração dos bens divinos. São Paulo: Universidade de São Paulo.

BERNARDES, L. M. C. (1995). Função defensiva do Rio de Janeiro e seu sítio original. Em L. M. BERNARDES e M. T DE S. SOARES, Rio de Janeiro: Cidade e região. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura.

BRASIO, A. (1952). Monumenta missionária africana, África Ocidental (1469-1599) (vol. IV). Lisboa: Agência Geral do Ultramar.

CAETANO, A. F. P. (2009). Entre drogas e cachaça: a política colonial e as tensões na América portuguesa (1640-1710). Alagoas: Universidade Federal de Alagoas.

CAVALCANTE, N. (2004). O Rio de Janeiro setecentista: a vida e a construção da cidade da invasão francesa até a chegada da Corte. Rio de Janeiro: Zahar.

COARACY, V. (1965). O Rio de Janeiro do século XVII. Rio de Janeiro: José Olympio.

ENDERS, A. (2008). A história do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Gryphus.

ENGEMANN, C. e AMANTINO, M. (2013). Santa Cruz: de legado dos jesuítas a pérola da Coroa. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio,

FRAGOSO, J. L. (2007). Fidalgos e parentes de pretos; notas sobre a nobreza principal da terra do Rio de Janeiro (1600-1750). Em J. L. FRAGOSO, C. M. C. DE ALMEIDA e A. C. J. DE SAMPAIO (orgs.), Conquistadores e negociantes: histórias de elites no Antigo Regime nos trópicos. América Lusa, séculos XVI a XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

FRANÇA, J. M. DE C. (2010). Informações sobre o Brasil Jesuíta: uma missiva do padre Luiz da Fonseca de 1576. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, 171(446), pp. 251-288.

GRANDIN, G. (2004). O império da necessidade: escravatura, liberdade e ilusão no Novo Mundo. Rio de Janeiro: Rocco.

LEITE, S. (1940). Novas cartas jesuíticas (de Nobrega a Vieira). Rio de Janeiro: Companhia Editora Nacional.

LEITE, S. (1945). História da Companhia de Jesus no Brasil (vol. VI). Rio de Janeiro: Imprensa Nacional.

Livro de Tombo do Colégio de Jesus do Rio de Janeiro (1968). Em D. L. DE MACÊDO (transcritor), Anais da Biblioteca Nacional (vol. 82). Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional.

MAURO, F. (1997). Portugal, o Brasil e o Atlântico, 1570-1670. Lisboa: Estampa.

MELLO, C, E. H. V. DE (1996). O Rio de Janeiro no Brasil quinhentista. São Paulo: Editorial Giordano.

MENDONÇA, P. K. DE (1999). O Rio de Janeiro da pacificação: franceses e portugueses na disputa colonial. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Esportes.

NEVES, L. F. B. (1978). O combate dos soldados de Cristo na Terra dos Papagaios. Rio de Janeiro: Forense.

RICUPERO, R. (2009). A formação da elite colonial: Brasil c. 1530-1630. São Paulo: Alameda.

SAMPAIO, A. C. J. DE (2003). Na encruzilhada do império: hierarquias sociais e conjunturas econômicas no Rio de Janeiro (c. 1650-c.1750). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional.

SAMPAIO, A. C. J. DE (2014). Fluxos e refluxos mercantis: centros, periferias e diversidade regionais. Em J. L. FRAGOSO e M.DE F. GOUVEA, O Brasil colonial, 1580-1720 (vol. 2), Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

SANTIAGO, C. C. A. O. (2015). As missões jesuíticas em Angola e suas ligações com a América Portuguesa de 1575 a 1592(Dissertação do mestrado). Universidade Salgado de Oliveira, Niterói.

SCHWARTZ, S. B. (2010). A economia do império português. Em F. BETHENCOURT e D. R. CURTO (dirs.), A expansão marítima portuguesa, 1400-1800. Lisboa: Edicoes70.

SECRETO, V. (2005). Arrendamento. Em M. MOTTA (org.). Dicionário da terra, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

SOARES, F. (1966). Coisas notáveis do Brasil. Lisboa: Instituto Nacional do Livro/Ministério da Educação e Cultura.

SUBRAHMANYAM, S. (2007).Holding the world in balance: The connected histories of the Iberian overseas empires, 1500-1640. The American Historical Review, 112(5), 1359-1385.

ZERON, C. A. DE M. R. (2011). Linha de fé: a Companhia de Jesus e a escravidão no processo de formação da sociedade colonial (Brasil, séculos XVI e XVII). São Paulo: Universidade de São Paulo.

Bibliografía

AMANTINO, M. (2011). Macaé nos séculos XVII e XVIII: ocupação e povoamento. Em M. AMANTINO, C. RODRIGUES, C. ENGEMANN, J. FREIRE, Povoamento, catolicismo e escravidão na Antiga Macaé (séculos XVII-XIX). Rio de Janeiro: Apicuri.

AMANTINO, M., FLECK, E., DECKMANN, C., e ENGEMANN, C. (2015). A Companhia de Jesus na América por seus colégios e fazendas: aproximações entre Brasil e Argentina, século XVIII. Rio de Janeiro: Garamond.

Archivos

Arquivo do Ministério da Fazenda, Rio de Janeiro, Brasil.
Arquivo Nacional Torre do Tombo, Lisboa, Portugal.
Arquivo Romano Societas Iesus, Roma, Itália.