Expansão e crise das ferrovias brasileiras nas primeiras décadas do século XX

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Ivanil Nunes
http://orcid.org/0000-0002-1241-3633

Resumen

A partir da década de 1940, no Brasil, iniciou-se um novo ciclo de modelo de negócios ferroviários, fundamentado na estatização do sistema. O objetivo neste artigo é analisar o processo de expansão das linhas, o aumento da oferta dos serviços oferecidos e a expansão da categoria ferroviária, e a relação destes fatores com a estatização das ferrovias. Seria correto afirmar que estas ferrovias foram se tornando ineficientes ao longo das duas primeiras décadas do século xx, particularmente a partir da primeira guerra mundial? Conclui-se neste trabalho, que as dificuldades enfrentadas pelas ferrovias brasileiras, que as conduziram à estatização, não é fenômeno que passou a ocorrer a partir da década de 1940, exclusivamente. Pois, na verdade, grande parte das mazelas que atingiram as ferrovias brasileiras e as conduziram à estatização já se manifestavam desde os primeiros anos do século xx.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Métricas de PLUMX

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Citas

BANCO CENTRAL DO BRASIL (setembro, 2014). Taxa de câmbio. Recuperado de http://www.bcb.gov.br/?TAXCAMFAQ

BOGART, D. (2009). Nationalizations and the development of transport systems: Cross-country evidence from railroad networks, 1860-1912. The Journal of Economic History, 69(1), 202-237.

BOGART, D. (2010). A global perspective on railway inefficiency and the rise of state ownership, 1880-1912. Explorations in Economic History, 47(2), 158-178.

CENA, J. C. (2012). Ferrocarriles argentinos: destrucción/recuperación. Buenos Aires: La Nave de los Locos.

DUNCAN, J. S. (1932). Public and private operation railway in Brazil. Nova Iorque: Columbia University Press.

FALEIROS, R. N. (2015). Percursos e percalços: déficits operacionais, balanços e mercadorias da Estrada de Ferro Vitória a Minas em tempos de crise (1902-1942). XI Congresso Brasileiro de História Econômica e 12a. Conferência Internacional de História de Empresas. Vitória, Brasil.

FEPASA: 20 ANOS (1991). Revista Comemorativa do 20º Aniversário da Fepasa-Ferrovia Paulista S. A. São Paulo: Superintendência Geral de Comunicação.

FRITSCH, W. (1990). Apogeu e crise na primeira república: 1900-1930. Em A ordem do progresso: cem anos de política econômica republicana, 1889-1989 (22a. ed.). Rio de Janeiro: Elsevier.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Recuperado de http://www.ipeadata.gov.br/

MVOP (MINISTÉRIO DA VIAÇÃO E OBRAS PÚBLICAS) (1910-1957). Estatísticas das estradas de ferro da união e das fiscalizadas pela União. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional.

MVOP (MINISTÉRIO DA VIAÇÃO E OBRAS PÚBLICAS) (1910). Estatísticas das estradas de ferro da união e das fiscalizadas pela União relativa ao anno de 1908. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional.

MVOP (MINISTÉRIO DA VIAÇÃO E OBRAS PÚBLICAS) (1911). Estatísticas das estradas de ferro da união e das fiscalizadas pela União relativas ao anno de 1909. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional.

MVOP (MINISTÉRIO DA VIAÇÃO E OBRAS PÚBLICAS) (1917). Estatísticas das estradas de ferro da união e das fiscalizadas pela União relativas ao anno de 1913. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional.

MVOP (MINISTÉRIO DA VIAÇÃO E OBRAS PÚBLICAS) (1922). Estatísticas das estradas de ferro da união e das fiscalizadas pela União relativas ao anno de 1918. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional.

MVOP (MINISTÉRIO DA VIAÇÃO E OBRAS PÚBLICAS) (1924). Estatísticas das estradas de ferro da união e das fiscalizadas pela União relativas ao anno de 1920. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional.

MVOP (MINISTÉRIO DA VIAÇÃO E OBRAS PÚBLICAS) (1935). Estatísticas das estradas de ferro da União e das fiscalizadas pela União relativas ao anno de 1933. Rio de Janeiro: Inspectoria Federal das Estradas.

MVOP (MINISTÉRIO DA VIAÇÃO E OBRAS PÚBLICAS) (1943). Estatísticas das estradas de ferro do Brasil relativa ao anno de 1940. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional.

MVOP (MINISTÉRIO DA VIAÇÃO E OBRAS PÚBLICAS) (1948). Estatísticas das estradas de ferro do Brasil relativa ao ano de 1943. Rio de Janeiro: Departamento Nacional de Estradas de Ferro.

MVOP (MINISTÉRIO DA VIAÇÃO E OBRAS PÚBLICAS) (1955). Estatísticas das estradas de ferro do Brasil relativa ao ano de 1948-1951. Rio de Janeiro: Departamento Nacional de Estradas de Ferro.

MVOP (MINISTÉRIO DA VIAÇÃO E OBRAS PÚBLICAS) (1957). Estatísticas das estradas de ferro do Brasil relativa ao ano de 1953. Rio de Janeiro: Departamento Nacional de Estradas de Ferro.

ORTIZ, R. M. (1958). El ferrocarril en la economía argentina (2a. Edição atualizada). Buenos Aires: Cátedra Lisandro de la Torre.

PINTO, A. A. (1977). História da viação pública de São Paulo (2a. Edição). São Paulo: Governo do Estado de São Paulo.

SAES, F. A. M. DE (1981). As ferrovias de São Paulo, 1870-1940. São Paulo: Hucitec.


Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas (1905). Estatísticas das estradas de ferro da união e das fiscalisadas pela União em 31 de dezembro de 1903. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional.

Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas (1907). Estatísticas das estradas de ferro da união e das fiscalisadas pela União em 31 de dezembro de 1905. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional.