Bunge e Sanbra: formação de grupos econômicos no Brasil (1923-1994)

Armando J. D. Costa  orcid
 http://lattes.cnpq.br/8632961461624572
; ajdcosta@uol.com.br
 Federal University of Paraná ; Brasil

Gustavo P. Silva  orcid
 http://lattes.cnpq.br/2439816100723730
; gusttavopereira@yahoo.com.br
 Universidade Federal de São Carlos ; Brasil

Fecha de envío 2018/07/17    Aceptado 2018/10/24   Publicado 2019/07/29

Resumen


Este artigo identifica os motivos que levaram a Sociedade Algodoeira do Nordeste Brasileiro, S. A. (Sanbra), subsidiária da Bunge Brasil, a se tornar um grupo econômico. Será analisada sua história de mais de 70 anos, de 1923 até 1994, quando a firma foi incorporada na reestruturação da Bunge. O artigo baseia-se em fontes primárias consultadas no Centro de Memória Bunge, em São Paulo, sobretudo os Relatórios de Diretoria e Balanços Anuais e a revista Atualidades Sanbra. Teoricamente seguirá os autores que tratam da formação de business groups em economias periféricas. Como conclusão prévia pode-se afirmar que alguns fatores contribuíram para a transformação da Sanbra em grupo econômico, principalmente o reinvestimento do capital próprio, o lançamento de novos produtos, a atuação em diversos setores, relacionamento com fontes creditícias do Estado, assim como a ocupação do território nacional.


Palabras clave


Bunge, Sanbra, grupos econômicos, agronegócio, algodão, soja

Referencias


Aldrighi, D. M. e Postali, F. A. (2010). Business groups in Brazil. Em A. M. Colpan, T. Hikino e J. R. Lincoln (eds.), The Oxford handbook of business groups (pp. 353-388). Oxford: Oxford University Press.

Alianza SIDALC. ([s.d.]). Recuperado de http://www.sidalc.net/cgi-bin/wxis.exe/?IsisScript=BIBA.xis&method=post&formato=2&cantidad=1&expresion=mfn=010005

Amsden, A. H. e Hikino, T. (1994). Project Execution Capability, Organizational Know-how and Conglomerate Corporate Growth in Late Industrialization. Industrial and Corporate Change, 3(1), 111-147. https://doi.org/10.1093/icc/3.1.111

Amsden, A. H. e Hikino, T. (1997). South Corea: Enterprising Groups and Entrepreneurial Government. Em A. D. Chandler, F. Amatori e T. Hikino (eds.), Big Business and the Wealth of Nations (pp. 336-367). Cambridge: Cambridge University Press.

Araújo, A. e Sousa, E. (2015). Sanbra. Recuperado de http://cgretalhos.blogspot.com/

Ata da Assembleia Extraordinária da Sociedade Algodoeira do Nordeste Brasileiro (Sanbra). (1942). Diário Oficial do Estado de São Paulo.

Baer, W. (2014). The Brazilian economy: Growth and development. Boulder: Lynne Rienner Publishers, Inc.

Banco Nacional de Desenvolvimento Económico e Social. (1996). O BNDES (Brasil) e o plano de metas, 1956-1961. Rio de Janeiro: BNDES.

Barbero, M. I. (2013). Business groups during the Export-led growth period (1870-1914). Em G. Tortella y G. Quiroga (eds.), Entrepreneurship and growth: an international historical perspective (pp. 69-91). Houndmills: Palgrave Macmillan.

Barros, G. (2015). O desenvolvimento do setor siderúrgico brasileiro entre 1900 e 1940: Crescimento e substituição de importações. Estudos Econômicos (São Paulo), 45(1), 153-183. DOI: 10.1590/0101-4161201545153gbs

Bértola, L. e Ocampo, J. A. (2012). The economic development of Latin America since independence. Oxford: Oxford University Press.

Bini, D. L. C. (2009). Mudanças históricas e implicações sócio-espaciais na composição das atividades agropecuárias hegemônicas na região de Araçatuba (SP) (Dissertação de mestrado). Universidade de São Paulo, Brasil. DOI:10.11606/D.8.2009.tde-03092009-155252

Boldrin, D. L. (2011). Diretrizes competitivas para o setor do algodão do estado de Mato Grosso: Desafios das próximas décadas (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Mato Grosso, Brasil.

Born, J. (2008). Interviewed by Andrea Lluch [audio]. Creating Emerging Markets Oral History Collection, Baker Library Historical Collections, Harvard Business School.

Bunge. Brasil (2012). A Bunge: Nossa História. Recuperado de http://www.bunge.com.br/Bunge/Nossa_Historia.aspx

Bunge. Brasil (2013). História do Grupo Bunge. Centro de Memória Bunge: São Paulo.

Bunge. Brasil (2014). Relatório de Sustentabilidade. São Paulo: Autor.

Bunge. Brasil (2016). Histórico Setor Têxtil. Centro de Memória Bunge: São Paulo.

Calais, C. (2017). Entrevista de Silva, G. P. y Costa, A. J. [Entrevista a la Diretora executiva da Fundação Bunge]. Archivo privado.

Calicchio, V. (2001). Augusto Frederico Schmidt. Em A. A. Abreu (ed.), Dicionário Histórico-Biográfico Brasileiro Pós-1930. Rio de Janeiro: Fundacao Getulio Vargas.

Caputo, A. C. e Melo, H. P. (2009). A industrialização brasileira nos anos de 1950: Uma análise da instrução 113 da SUMOC. Estudos Econômicos (São Paulo), 39(3), 513-538. DOI: 10.1590/S0101-41612009000300003

Carney, M., Gedajlovic, E. R., Heugens, P. P., Essen, M. V. e Oosterhout, J. H. V. (2011). Business group affiliation, performance, context, and strategy: a meta-analysis. The Academy of Management Journal, 54(3), 437-460.

Carteira de Comércio Exterior do Banco do Brasil (1971). Relatório da Carteira de Comércio Exterior do Banco do Brasil. Brasília: Autor.

Chandler, A. D. (1962). Strategy and structure: chapters in the history of the industrial enterprise. Cambridge: MIT Press.

Coban, A. (2017). Business groups from emerging markets: new actors in international business. Em K. Ibeh, P. E. Tolentino, O. Janne e X. Liu (eds.), Growth frontiers in international business (pp. 103-119). Londres: Palgrave Macmillan.

Colpan, A. M. e Hikino, T. (2010). Foundations of business groups. Em A. M. Colpan, T. Hikino e J. R. Lincoln. Em The Oxford handbook of business groups (pp. 15-66). Oxford: Oxford University Press.

Colpan, A. M., Hikino, T. e Lincoln, J. R. (eds.). (2010). The Oxford handbook of business groups. Oxford: Oxford University Press.

Costa, A. D. e Silva, G. P. (2018). Bunge and his first fiftieth anniversary in Brazil (1905–1955): The construction of an economic group. Investigaciones de Historia Económica, 14(3), 199-209. DOI: 10.1016/j.ihe.2016.07.019

Cunha, M. R. (1992). Apêndice estatístico. Em E. L. Bacha y R. Greenhill (eds.), 150 years of coffee. Rio de Janeiro: Salamandre.

Dean, W. (1971). A Industrialização de São Paulo, 1880-1945. São Paulo: Difusão Europeia do Livro.

Delios, A. e Ma, X. (2010). Diversification strategy and Business Groups. Em A. M. Colpan, T. Hikino e J. R. Lincoln (eds.), The Oxford handbook of business groups (pp. 717-742). Oxford: Oxford University Press.

Draibe, S. M. (1985). Rumos e metamorfoses: Um estudo sobre a constituição do Estado e as alternativas da industrialização no Brasil, 1930-1960. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Fishlow, A. (2013). Origens e consequências da substituição de importações: 40 anos depois. Em E. L. Bacha, M. B. D. Bolle e A. C. Pastore (eds.), O futuro da indústria no Brasil: desindustrialização em debate. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Franco, G. H. B. e Lago, L. A. C. (2012). O processo econômico. Em L. M. Schwarcz (ed.), A abertura para o mundo, 1889-1930 (pp. 173-238). Rio de Janeiro: Objetiva.

Gaggero, A. J. e Rougier, M. (2017). Los grupos económicos argentinos y la respuesta frente al arribo de las empresas multinacionales en la década de 1990. El caso de Madanes en la producción de aluminio. História Econômica & História de Empresas, 20(2), 407-438. DOI: 10.29182/hehe.v20i2.479

Giambiagi, F., Villela, A. A., Castro, L. B. e Hermann, J. (eds.). (2005). Economia brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Elsevier/Editora Campus.

Gonçalves, R. (1999). Capital financeiro, bancário e industrial no Brasil. Economia e Sociedade, 8(2), 179-189.

Green, R. H. e Laurent, C. (1989). El poder de Bunge & Born. Buenos Aires: Legasa.

Guillén, M. F. (2000). Business groups in emerging economies: a resource-based view. Academy of Management Journal, 43(3), 362-380. DOI: 10.5465/1556400

Khanna, T. e Yafeh, Y. (2010). Business Groups in emerging markets: paragons or parasites? In A. M. Colpan, T. Hikino e J. R. Lincoln (eds.), The Oxford handbook of business groups (pp. 575-601). Oxford: Oxford University Press.

Kim, D., Kandemir, D. e Cavusgil, S. T. (2004). The role of family conglomerates in emerging markets: What Western companies should know. Thunderbird International Business Review, 46(1), 13-38. DOI: 10.1002/tie.10108

Leff, N. H. (1974). El espíritu de empresa y la organización industrial en los países menos desarrolalados: los grupos. El Trimestre Económico, 41(3), 521-541.

Madi, M. A. C. (2007). A vanguarda do pensamento conservador: um estudo sobre as ideias economicas de Roberto Campos no periodo 1950-1964. Em T. Szmrecsányi y F. Coelho (eds.), Ensaios de história do pensamento econômico no Brasil. São Paulo: Atlas.

Mello, J. M. C. (2009). O capitalismo tardio: contribuição à revisão crítica da formação e do desenvolvimento da economia brasileira. Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

Mendonça, D. M. e Costa, R. L. (2014). Importância e preservação do legado industrial: o caso do eixo industrial em presidente Prudente/SP. Anais do 3o Colóquio Ibero-Americano Paisagem Cultural, Patrimônio e Projeto. Apresentado em Belo Horizonte. Belo Horizonte.

Morck, R. (2010). The riddle of great pyramids. Em A. M. Colpan, T. Hikino e J. R. Lincoln (eds.), The Oxford handbook of business groups (pp. 602-628). Oxford: Oxford University Press.

MPE cobra a revitalização de estrutura da Sanbra. Presidente Prudente. (2014). O Imparcial. Recuperado de http://www.imparcial.com.br/site/mpe-cobra-revitalizacao-de-estrutura-da-sanbra

Negri, B. (1996). Concentração e desconcentração industrial em São Paulo (1880-1990). Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

Ocampo, J. A. e Ros, J. (2011). Shifting paradigms in Latin America’s Economic Development. Em José Antonio Ocampo y J. Ros (eds.), The Oxford handbook of Latin American economics. Oxford: Oxford University Press.

Orenstein, L. e Sochaczewski, A. C. (1989). Democracia com desenvolvimento: 1956-1961. Em M. P. Abreu y D. D. Carneiro (eds.), A Ordem do progresso: cem anos de política econômica republicana, 1889-1989. Rio de Janeiro: Campus.

Pinto, M. N. (1969). Contribuição ao Estudo da Influência da Lavoura Especulativa do Sisal no Estado da Bahia. Revista Brasileira de Geografia, 31(3), 3-102.

Saes, A. M. (2010). Conflitos do capital: Light versus CBEE na formação do capitalismo brasileiro (1898-1927). Bauru: Universidade do Sagrado Coração.

Sanbra (1954). Histórico [Documento não publicado]. Centro de Memoria Bunge, Brasil.

Sanbra (1960). Relatório da Diretoria e Balanço Geral. Brasil: Sociedade Algodoeira do Nordeste do Brasil.

Sanbra (1968). Fábrica de óleo de mamona em Salvador. Atualidades SANBRA, 2.

Sanbra (1969). Fábrica de óleo em Maringá. Atualidades SANBRA, 2(12), 4.

Sanbra (1970a). Construção de um parque industrial: bairro de Jaguaré. Atualidades SANBRA, 3(13), 6.

Sanbra (1970b). Distribuição da rede de unidades. Atualidades SANBRA, 3(16), 3, 5 e 15.

Sanbra (1971). Planta industrial de Recife. Atualidades SANBRA, 4(19), 7.

Sanbra (1972). Logística de embarque. Atualidades SANBRA, 5(25), 6.

Sanbra (1973a). História da mamona. Sanbra 50 anos. Separata de Atualidades SANBRA, 6(34).

Sanbra (1973b). História do algodão. Sanbra 50 anos. Separata de Atualidades SANBRA, 6(31), 12 e ss.

Sanbra (1973c). História do amendoim, oiticica e babaçu. Sanbra 50 anos. Separata de Atualidades SANBRA, 6(36).

Sanbra (1973d). História do café. Sanbra 50 anos. Separata de Atualidades SANBRA, 6(35), 17.

Sanbra (1973e). História do milho. Sanbra 50 anos. Separata de Atualidades SANBRA, 7(32), 4.

Sanbra (1975a). Cadeia produtiva. Atualidades SANBRA, 8(3), 23.

Sanbra (1975b). Fábrica de óleos em Campina Grande. Atualidades SANBRA, 8(6), 22.

Schneider, B. R. (2010). Business groups and the state: The politics of expansion, restructuring, and collapse. Em A. M. Colpan, T. Hikino e J. R. Lincoln (eds.), The Oxford handbook of business groups (pp. 650-669). Oxford: Oxford University Press.

Sediyama, A. F., Castro Júnior, L. G., Calegario, C. L. e Siqueira, P. H. (2013). Análise da estrutura, conduta e desempenho da indústria processadora de soja no Brasil no período de 2003 a 2010. Revista de Economia e Sociologia Rural, 51(1), 161-182.

Serra, J. (1982). Ciclos e mudanças estruturais na economia brasileira do pós-guerra. Em L. Belluzzo y R. Coutinho (eds.), Desenvolvimento capitalista no Brasil (vol. 2). São Paulo: Brasiliense.

Shurtleff, W. e Aoyagi, A. (2009). History of soybeans and soyfoods in South America (1882-2009). Lafayette: Soyinfo Center.

Shurtleff, W. e Aoyagi, A. (2016). History of lecithin and phospholipids (1850 to 2016): Extensively annotated bibliography and sourcebook : including phosphatides and liposomes. Lafayette: Soyinfo Center.

Silva, G. P. e Costa, A. J. (2015). Da falência à liderança: a trajetória do Grupo Votorantim no setor têxtil paulista (1918-1939). Anais do XLIII Encontro Nacional de Economia [Proceedings of the 43rd Brazilian Economics Meeting]. Apresentado em Florianópolis. Florianópolis: Associação Nacional dos Centros de Pós-Graduação em Economia.

Tavares, M. C. (1977). Da substituição de importações ao capitalismo financeiro: ensaios sobre economia brasileira. Rio de Janeiro: Zahar.

Trindade, C. M. (2017). Grupos econômicos argentinos: expansão e estratégias nos anos 2000 (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Valdaliso, J. M. (2002). Grupos empresariales, marco institucional y desarrollo económico en España en el siglo XX: Los negocios de la familia Aznar (c. 1937-c. 1983). Revista de Historia Económica / Journal of Iberian and Latin American Economic History, 20(3), 577-624. DOI: 10.1017/S0212610900010041

Valor de mercado das empresas abertas (1988). Revista Bolsa, 1, 829.

Wendell, M. (1936). O monopólio e a desnacionalização de nossa indústria algodoeira [O discurso proferido na Assemblé Legislativa do Estado pelo deputado Mariano Wendell]. Correio Paulistano, 83(24.742), 9.

Willis, E. J. (2014). An enduring pocket of effectiveness: the case of the National Development Bank of Brazil (BNDE). Em M. Roll (ed.), The politics of public sector performance (pp. 94-116). Nueva York: Routledge.

Yaprak, A. e Karademir, B. (2010). The internationalization of emerging market business groups: An integrated literature review. International Marketing Review, 27(2), 245-262. DOI: 10.1108/02651331011037548




DOI: http://dx.doi.org/10.18232/alhe.1002

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2019 Armando J. D. Costa, Gustavo P. Silva

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.