As ideias econômicas de Mauá e o liberalismo nos trópicos (1860-1878)

Thiago F. R. Gambi  orcid
 http://lattes.cnpq.br/6574991932509018
; thiago.fontelas@gmail.com
 Universidade Federal de Alfenas ; Brasil

Daniel D. V. Cosentino  orcid
 http://lattes.cnpq.br/4000157219423804
; dcosentino@terra.com.br
 Universidade Federal de Ouro Preto ; Brasil

Fecha de envío 2018/08/17    Aceptado 2018/10/24   Publicado 2019/09/13

Resumen


O objetivo deste texto é analisar as ideias de Mauá sobre o progresso econômico, a moeda e o crédito, e o câmbio, a partir de seu depoimento ao relatório oficial sobre a crise de 1857, dos artigos que escreveu sobre o meio circulante intitulados “Questões econômicas: a situação monetária do Brasil”, publicados no Jornal do Comércio em abril de 1878, e, finalmente, de sua Autobiografia. Avaliaremos como a realidade brasileira da época e os próprios negócios de Mauá moldaram suas ideias econômicas e, ao mesmo tempo, como essas ideias apareceram no debate econômico, a fim de influenciar os rumos da política econômica do Império. A análise procurará mostrar como Mauá, uma figura típica de seu tempo, foi capaz de produzir ideias econômicas coerentes que espelham tanto sua filosofia liberal como a prática dos negócios e da política imperial.


Palabras clave


Progreso económico; moneda; crédito; tipo de cambio.

Referencias


Barroso, G. (1938). História secreta do Brasil. Terceira parte: a maioridade de D. Pedro II à proclamação da República. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Besouchet, L. (1978). Mauá e seu tempo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Brasil. Ministério da Fazenda. (1860). Relatório da comissão de inquérito nomeada por aviso do Ministério da Fazenda de 10 de outubro de 1859. Rio de Janeiro: Ministério da Fazenda.

Caldeira, J. (1995). Mauá: empresário do Império. São Paulo: Companhia das Letras.

Carneiro, E. A. (1965). Mauá. Rio de Janeiro: Departamento Administrativo de Serviço Público.

Carvalho, J. M. (1997). Mauá e a ética Saint-Simoniana. Londrina: Universidade Estadual de Londrina.

Cosentino, D. V. (2016). Formação do pensamento econômico brasileiro no século XIX (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, Brasil. https://doi.org/10.11606/T.8.2016.tde-22082016-113828

Faria, A. (1933). Mauá: Irineu Evangelista de Souza, barão e visconde de Mauá, (1813-1889). São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Fernandes, S. (1974). Mauá, o economista do Império: Análise de sua crítica científica ao padrão-ouro. Revista Brasileira de Economia, 28(2), 3-28.

Fonseca, P. C., e Mollo, M. L. (2012). Metalistas x papelistas: origens teóricas e antecedentes do debate entre monetaristas e desenvolvimentistas. Nova Economia, 22(2), 203-233.

Furtado, C. (2007). Formação econômica do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras.

Gambi, T. F. R. (2015a). As ideias de Bernardo Souza Franco sobre a questão bancária nos níveis regional e nacional: Pará-Brasil (1845-1848). En 5th Latin American Conference of the History of Economic Thought. Chile: European Society for the History of Economic Thought.

Gambi, T. F. R. (2015b). O Banco da Ordem: política e finanças no Império brasileiro (1853-1866). São Paulo: Alameda.

Ganns, C. (2011). Prefácio e anotações à autobiografia de Mauá. En I. E. Mauá (ed.), Autobiografia. Brasília: Senado Federal.

Glasner, D. (1992). The Real-Bills Doctrine in the Light of the Law of Reflux. History of Political Economy, 24(4), 867-894. https://doi.org/10.1215/00182702-24-4-867

Gremaud, A. P. (1997). Das controvérsias teóricas à política econômica: pensamento econômico e economia brasileira no segundo Império e na Primeira República (1840-1930) (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, Brasil.

Guimarães, C. G. (2012). A presença inglesa nas finanças e no comércio no Brasil imperial: os casos da Sociedade Bancária Mauá, MacGregor & Cia. (1854-1866) e da firma inglesa Samuel Phillips & Cia. (1808-1840). São Paulo: Alameda.

Guimarães, Carlos Gabriel. (2012). A presença inglesa nas finanças e no comércio no Brasil imperial: os casos da Sociedade Bancária Mauá, MacGregor & Cia. (1854-1866) e da firma inglesa Samuel Phillips & Cia. (1808-1840). São Paulo: Alameda.

Kindleberger, C. P. (2000). Manias, pânico e crashes: um histórico das crises financeiras. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Lima, H. F. (1976). Três industrialistas brasileiros: Mauá, Rui Barbosa, Roberto Simonsen. São Paulo: Alfa-Omega.

Macedo, J. M. (1876). Anno biographico brazileiro (vol. 3). Rio de Janeiro: Typographia e Lithographia do Imperial Instituto Artistico.

Martinho, L. M., e Gorenstein, R. (1992). Negociantes e caixeiros na sociedade da Independência. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Esportes.

Mauá, I. E. (2011a). Autobiografia (C. Ganns, ed.). Brasília: Senado Federal.

Mauá, I. E. (1878). Questões econômicas: a situação monetária do Brasil. Jornal do Comércio, 101, 103-106, 113 .

Mauá, I. E. (2011b). O meio circulante do Brasil. In C. Ganns (ed.), Autobiografia. Brasília: Senado Federal.

Momesso, B. P. (2007). Indústria e trabalho no século XIX: o estabelecimento de Fundição e Máquinas de Ponta d´Areia. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal Fluminense, Brasil.

Motta, M. S. (2000). O relato biográfico como fonte para a história. Vidya, 19(34), 101-122.

Nabuco, J. (1998). Um estadista do Imperio. São Paulo: Topbooks.

Novais, F., e Arruda, J. J. A. (2003). Prometeus e Atlantes na forja da nação. Economia e Sociedade, 12(2), 225-243.

O’Brien, D. P. (2007). The development of monetary economics: a modern perspective on monetary controversies. Cheltenham, UK-Northampton, MA: Edward Elgar.

Paim, A. (1968). Cairu e o liberalismo econômico. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

Petratti, P. (1977). A instituição da The São Paulo (Brazilian) Railway Limited (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, Brasil.

Rebello, E. C. (1975). Mauá e outros estudos. Rio de Janeiro: Livraria São José.

Rocha, A. P. (1996). A economia política na sociedade escravista: um estudo dos textos econômicos de Cairu. São Paulo: Editora Hucitec.

Saes, F. A. M. (1986). Crédito e bancos no desenvolvimento da economia paulista: 1850-1930. Sâo Paulo: Universidade de São Paulo.

Saes, F. A. M. (1987). Mauá e sua presença na economia brasileira do século XIX. En O. Cropani, Barão de Mauá: empresario e político. São Paulo: Bianchi.

Schulz, J. (2013). Souza Franco and Banks of Issue as Engines of Growth. História e Economia. Revista Interdisciplinar, 11(1), 15-38.

Silva, J. M. (2003). Memórias do meu tempo. Brasília: Senado Federal.

Souza, R. R. (2005). Exposição aos credores: a escrita como redenção. Sæculum. Revista de História, 13, 78-89.

Souza, R. R. (2007). Mauá e a tradição de modernização industrial no Brasil (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil.

Souza, R. T., e Fossatti, N. C. (eds.). (2013). Mauá: Paradoxos de um visionário. Obra comemorativa de 200 anos de nascimento de Visconde de Mauá. Porto Alegre: Letra & Vida.

Taunay, A. E. (1948). Memórias do visconde de Taunay. São Paulo: Instituto Progresso Editorial.

Tavares, L. H. D. (1988). O capitalismo no comércio proibido de escravos. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, 28, 37-52. https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i28p37-52

Vasconcellos, B., e Smith, B. (1918). Archivo nobiliarchico brasileiro. Lausanne: Imprimerie La Concorde.

Villela, A. (1999). The political economy of money and banking in Imperial Brazil, 1850-1870 (PhD Thesis). The London School of Economics and Political Science, Londres.




DOI: http://dx.doi.org/10.18232/alhe.1014

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2019 Thiago Fontelas Rosado Gambi, Daniel do Val Cosentino

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.