Negociantes e capitalistas: transformações das práticas mercantis no Brasil imperial, em meados do século XIX, Ouro Preto, Minas Gerais

Leandro B. de Andrade  orcid
 http://lattes.cnpq.br/9302293403633298
; leandrohist.andrade@gmail.com
 Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFETMG) ; Brasil

Fecha de envío 2018/08/17    Aceptado 2018/11/06   Publicado 2019/09/18

Resumen


O estudo analisa alguns elementos das práticas de mercado, em transformação durante o século xix, principalmente os instrumentos do ofício dos comerciantes, as formas de investimentos e as instituições financeiras. O foco são os agentes mercantis de Ouro Preto, capital da província de Minas Gerais, onde as possiblidades de acumulação eram restritas por sua posição periférica no mercado interno brasileiro. O objetivo é demonstrar, no entanto, que o caráter urbano do comércio e da riqueza dessa região acompanhava o processo de modernização e institucionalização pelo qual passava a economia e o Estado nacional. Dessa forma, a abordagem microanalítica mostrou-se eficaz ao revelar quando tais transformações ocorreram e como foram ativadas pelos negociantes e capitalistas locais.


Palabras clave


Práticas mercantis; comércio urbano; investimentos; capitalistas

Referencias


Andrade, L. B. (2012). Fortunas subterrâneas: negocias da capital da província de Minas Gerais e as companhias inglesas de mineração. Presentado en XV Seminário sobre economia mineira. Diamantina: Universidade Federal de Minas Gerais.

Andrade, L. B. (2013). Negócios capitais: práticas mercantis, negociantes e elites urbanas na Imperial Cidade de Ouro Preto, c. 1822-c. 1864 (Doutorado). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Berute, G. S. (2011). Atividades mercantis do Rio Grande de São Pedro: negócios, mercadorias e agentes mercantis (1808-1850) (Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Braudel, F. (1996). Civilização material, economia e capitalismo: os jogos das trocas. São Paulo: Martins Fontes.

Câmara dos Deputados, Brasil (1853, junho de 15). Anais da Câmara dos Deputados (vol. 2). Recuperado de www.camara.leg.br

Carvalho, V. (1888). Manual mercantil. Rio de Janeiro: s. e.

Chaves, C. M. G. (2006). Métodos e práticas do ensino mercantil profissionalizante no império luso-brasileiro (1788-1822). En VI Congresso Luso-Brasileiro de História da Educação (pp. 4324-4334). Uberlândia.

Codigo commercial do imperio do Brasil (1850). Rio de Janeiro.

Coleção das leis do Imperio do Brasil (1854). Brasil: Conselho de Estado.

Fragoso, J. L. (1992). Homens de grossa aventura: acumulação e hierarquia na praça mercantil do Rio de Janeiro, 1790-1830. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional.

Fragoso, J. L. e Martins, M. F. (2003). Grandes negociantes e elite política nas últimas décadas da escravidão. 1850-1880. En M. Florentino e C. Machado, Ensaios sobre a escravidão (vol. 1, pp. 143-165). Universidade Federal de Minas Gerais.

Fragoso, J. L. e Rios, A. M. L. (1995). Um Empresário brasileiro no oitocentos. En E. Schonoor e H. Castro, Resgate: uma janela para o oitocentos (pp. 197-224). Rio de Janeiro: Topbooks.

Godoy, M. M. (2004). No país das minas de ouro a paisagem vertia engenhos de cana e casas de negócio (Doutorado). Universidade de São Paulo, Rio de Janeiro.

Graça Filho, A. A. (2002). A princesa do oeste e o mito da decadência de Minas Gerais: São João del Rei, 1831-1888. São Paulo: Annablume.

Guimarães, C. G. (1997). Bancos, economia e poder no segundo Reinado: o caso da sociedade bancária Mauá Mac Gregore e Companhia (1854-1866) (Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Guimarães, C. G. (2012). A presença inglesa nas finanças e no comércio no Brasil imperial: os casos da Sociedade Bancária Mauá, MacGregor & Cia. (1854-1866) e da firma inglesa Samuel Phillips & Cia. (1808-1840). São Paulo: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro/Alameda.

Iglésias, F. (1997). Vida política. En S. B. Holanda, História geral da civilização brasileira, t. 2, vol. 3: O Brasil monárquico: reac̜ões e transac̜ões (pp. 9-112). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Levy, M. B. (1994). A indústria do Rio de Janeiro através de suas sociedades anônimas: esboços de história empresarial. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Marcondes, R. L. (1998). A arte de acumular na gestão da economia cafeeira: Formas de enriquecimento no Vale do Paraíba paulista durante o século XIX (Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Mattos, I. R. (1990). O tempo saquarema: a formação do Estado Imperial. São Paulo: Hucitec.

Mattoso, K. M. (1992). Bahia, século XIX: uma província no império. São Paulo: Nova Fronteira.

Minas Gerais (1830-1930). Provincial presidential reports [diversos anos]. Disponível em: http://www-apps.crl.edu/brazil/provincial/minas_gerais.

Minas Gerais (1859). Falla que á Assembléa Legislativa Provincial de Minas Gerais dirigio no acto da abertura da sessão ordinaria de 1859 o dr. Joaquim Delfino Ribeiro da Luz, 1.o vice-presidente da mesma provincia. Ouro Preto: Typographya Provincial.

Oliveira, J. M. e Martins, A. A. (1864). Almanak administrativo, civil e industrial da provincia de Minas Gerais para o anno de 1864. Ouro Preto: Typographya do Minas Gerais.

Paixão, L. A. (2002). A publicidade e a formação da sociedade de consumo em Minas: notas sobre a economia do consumo (vol. 23, pp. 1-3). Presentado en X Seminário sobre economia mineira. Diamantina: Universidade Federal de Minas Gerais.

Pedreira, J. L. (1995). Os homens de negócio da praça de Lisboa: de Pombal ao Vintismo (1755-1822). Diferenciação, reprodução e identificação de um grupo social (Doutoramento). Universidade Nova de Lisboa, Lisboa.

Pelaez, C. M. e Suzigan, W. (1981). História monetária do Brasil. Brasília: Universidade de Brasília.

Piñeiro, T. L. (2002). Os simples comissários: Negociantes e política no Brasil império (Doutoramento). Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro.

Revel, J. (1998). Microanálise e construção do social. En J. Revel, Jogos de escalas: a experiencia da microanalise (pp. 15-38). Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas.

Ridings, E. (1973). The merchant elite and the development of Brazil: the case of Bahia during the empire. Journal of Interamerican Studies and World Affairs, 15(3), 335-353. DOI: 10.2307/174971

Rodarte, M., Paula, J. e Simões, R. (2004). Rede de cidades em Minas Gerais no século XIX. História Econômica História de Empresas, 7(1), 7-45. DOI: 10.29182/hehe.v7i1.167

Saba, R. (2010). As praças comerciais do império e a aprovação do Código Comercial Brasileiro na Câmara dos Deputados. Angelus Novus, 77-96.

Weber, M. (1985). A gênese do capitalismo moderno; organização e comentários Jesse Souza; tradução Rainer Domschke. São Paulo: Ática.

Yamey, B. S. (1949). Scientific Bookkeepping and the rise of capitalism. The Economic History Review, 1(2-3), 99-113. DOI: 10.1111/j.1468-0289.1949.tb00108.x




DOI: http://dx.doi.org/10.18232/alhe.1015

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2019 Leandro Braga de Andrade

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial 4.0 Internacional.